Zumbido

A Dra. Carina Bezerra Rocha é a fisioterapeuta pioneira nos estudos da relação entre zumbido e sistema musculoesquelético na América Latina. Com experiência de mais de 15 anos, a profissional realiza avaliação minuciosa com orientações de exercícios e tratamento personalizado desenvolvido por ela.

O que é zumbido?

O zumbido é um som percebido nos ouvidos ou na cabeça sem que haja estímulo sonoro externo. Trata-se de sintoma (e não de doença) que pode apresentar inúmeras causas. De acordo com pesquisa da American Public Health Agency, o zumbido é o terceiro sintoma mais incômodo, perdendo apenas para dor e tonturas intensas e intratáveis. Estudos epidemiológicos indicam que a prevalência do zumbido varia de 10 a 15% na população geral. No Brasil, dados recentes mostram que cerca de 40 milhões de brasileiros apresentam o sintoma.

Quais tipos de zumbido são mais comuns?

Alguns zumbidos podem ser agudos, outros graves, constantes ou percebidos em dias alternados. Os sons podem ser semelhantes a um apito, chiado, escape de ar, grilo, cigarra, sirene, cachoeira, motor, panela de pressão, dentre outros.

Quando devo procurar um fisioterapeuta para tratar o zumbido?

O fisioterapeuta poderá ajudar nos casos de zumbido que tenham origem músculo-esquelética ou emocional. Procure-nos caso apresente:

  • Queixa de dor nas regiões cervical (pescoço), ombros, face e/ou cabeça.
  • Tensão ou rigidez nas regiões cervical, ombros e face.
  • Limitações na movimentação cervical e articulação temporomandibular (ATM).
  • Surgimento ou piora do zumbido após lesão ou manipulação incorreta da cervical, a exemplo de massagens.
  • Piora do zumbido com o aumento de dores ou tensões musculares.
  • Aumento ou diminuição da intensidade do zumbido durante movimentos cervicais (flexão, extensão, rotação e inclinação) e mandibulares (abertura, fechamento, protrusão, lateralização).
  • Aumento ou diminuição da intensidade do zumbido após mudança de posição da cabeça e/ou da cervical (por exemplo, ao trocar de travesseiro, após um cochilo no sofá, má postura ou alongamentos).
  • Bruxismo (ranger dos dentes) ou apertamento dentário.
  • Ansiedade, stress, síndrome do pânico e depressão. 

Como uma alteração no músculo ou articulação pode causar zumbido?

O zumbido causado por disfunções músculo-esqueléticas é chamado de zumbido somatossensorial. Como exemplo, imagine duas linhas de trem que se encontram em uma estação central. Uma linha vermelha a que chamaremos “via somatossensorial” e uma azul chamada de “via auditiva”. A linha vermelha é formada por músculos e articulações que se localizam principalmente na face, cervical e ombros. Quando há tensão, dores ou alterações nesta região, estímulos são enviados para a linha azul, em um local chamado de núcleo coclear dorsal. É neste ponto que se encontram neurônios multitarefa que captam informações das linhas vermelha e azul. Como são estímulos excitatórios, o cérebro pode interpretá-los como zumbido ou até mesmo modular (aumentar ou diminuir) um zumbido já existente.

O zumbido pode melhorar com a fisioterapia? Quantas sessões seriam necessárias?

Sim, o zumbido pode melhorar ou até mesmo desaparecer com o tratamento fisioterápico. Geralmente são indicadas 10 sessões iniciais, realizadas 1 vez por semana com 1 hora de duração cada. Em seguida, o paciente é reavaliado e verifica-se a necessidade ou não de continuidade do tratamento.

Quais técnicas fisioterápicas são utilizadas para o tratamento do zumbido?

As técnicas utilizadas variam de acordo com o histórico (anamnese) e a avaliação física de cada paciente. O mais importante é que a avaliação seja realizada por fisioterapeuta especializado em zumbido.

Agende sua consulta
(11) 2114-6202